O concerto


Paris. Cidade luz.

O Miltinho chegou na véspera à cidade. Foi a primeira vez que botou os pés num avião, mas a felicidade era tanta que nem sentiu medo. Precavido, fez questão de trazer o fraque consigo, caprichosamente passado e pendurado num cabide que segurou o tempo todo, receoso de que chegasse amassado, caso o pusesse na mala.

“Quem diria…” pensou com um sorriso satisfeito, ajustando a gravata borboleta em frente ao espelho do minúsculo quartinho de hotel. “Eu… Euzinho… Em Paris!” Nada tiraria dele aquele sentimento de sucesso, nem mesmo o chuveiro, que recusando-se a esquentar a água, imputou-lhe um banho estupidamente gelado, dura experiência para um princípio de inverno parisiense. Mas se as acomodações não eram das melhores, assim como o humor do recepcionista, o mesmo não podia dizer da localização do seu hotel. “Estou simplesmente em Pigalle, dá pra acreditar?” se perguntou em voz alta enquanto acomodava os pêlos da sobrancelha direita com o dedo umedecido de cuspe. “Pigalle… cantada por Edith Piaf! Pigalle… retratada por Tolouse Lautrec! Pigalle… da boêmia, das sex-shops, das cabines de projeções de filmes nada artísticos, mas, sobretudo…” Embora estivesse sozinho, fez uma interrupção de suspense. Depois anunciou: “Pigalle dos cabarés!” Nova pausa para que seus ouvintes imaginários absorvessem a informação. “Vocês sabem… Até o mais ignorante ser já ouviu falar do Moulin Rouge. E onde fica o Moulin Rouge? Hein? Hein?” simulando como seria sua conversa com amigos de botequim. “Exatamente… Isso mesmo!” confirmou para si mesmo, encolhendo os ombros e abrindo os braços, como se dialogasse com outros à sua volta. “O Moulin Rouge fica em Pigalle!”, fingindo intimidade com a cidade-luz, embora, de fato, fosse a primeira vez que por lá aportava. Mais que isso, era a primeira vez que saía não só do seu País, mas até do seu Estado.

Evidente que o Miltinho não planejava ir ao Moulin Rouge, nem utilizaria nenhum dos “serviços” disponíveis nas esquinas próximas, mas aquilo tudo conferia certo charme à sua “temporada” em Paris. “É… não ficaria bem para um violinista clássico ser visto em atitude tão vulgar!”, ponderou conformado, diante de sua própria imagem refletida. Imagem que nunca lhe pareceu tão bem…

O Miltinho sorvia prazerosamente cada instante que antecedia a sua apresentação como um dorminhoco que saboreia os minutos que antecedem o tocar do despertador. Tinha certeza do êxito do que ele considerava que seria seu momento de glória. De início, pensou em abrir sua apresentação executando o primeiro andamento do Concerto N.o1 para violino de Max Bruch. Arpejos incomuns, abuso de cordas dobradas, arcos longos, escalas de duas oitavas tocadas com dois dedos, dinâmicas acentuadas, notas muiiiito agudas… Enfim, o virtuosismo levado ao extremo! Porém, achou que não seria prudente a escolha justamente de um compositor alemão! Não em Paris! Assim, depois de muito pensar, para sua estreia na cidade-luz optou por um trecho de Sur le même accord, um noturno de Henri Dutilleux.

Emergindo dos seus pensamentos, ocorreu-lhe olhar para o relógio. Foi então que sentiu um frio na barriga: estava atrasado! “Meu Deus, perdi a noção da hora! Não hoje… Não no primeiro dia… Não na minha estreia!”. Acomodou rapidamente seu violino numa maleta preta, recolheu as partituras que passou a noite estudando, fechou apressadamente por fora a porta do seu quarto e se pôs a descer as escadas pulando os degraus. Só então se deu conta que mal conhecia a cidade! Chegou à recepção esbaforido pelo esforço. “Aonde fica a estação mais próxima? “Metrrrrô?!” perguntou forçando o “r” e fazendo bico com os lábios. Precisou ainda repetir duas vezes o que julgava ser uma pergunta até obter algum sinal de vida do recepcionista. O sujeito, com a simpatia de um carcereiro, nem mesmo alterou a expressão do rosto, limitando-se a apontar vagamente para a direita. “Direita?” Inseguro, repetiu querendo uma confirmação que não veio. “Direita… Então é prá lá que eu vou!”. Encaixou seus utensílios embaixo do braço e colocou seu corpo alto e magro em movimento pelas ruas de Paris, protagonizando um galope tão desengonçado que julgou o acontecido uma vingança do destino por ter inúmeras vezes cabulado as aulas de educação física para ensaiar com seu precioso violino. Nunca imaginou que tais aulas acabariam sendo importantes para a sua carreira artística…

* * *

Meia hora depois, apesar do suor estampado na sua camisa denunciando o esforço que fizera para chegar a tempo, o Miltinho estava completamente a postos para o início do espetáculo. Aquela noite seria inesquecível!

Ele sempre sonhou com esse momento. Não que tivesse escolhido o caminho da música pensando no estrelato, mas se apresentar em Paris era simplesmente mágico, como um sonho impossível se realizando. Se a vida, como muitos afirmam, é feita do somatório de pequenos momentos, aquele certamente será um dos que guardará na lembrança para sempre. “Ah se o meu pai me visse agora!” pensou o Miltinho, respirando fundo para segurar as lágrimas. O velho sempre achou que a música não dava futuro a ninguém! “Meu filho, para com isso e vai se dedicar a uma profissão de verdade!” desgostoso, lhe aconselhava em tom de censura, ao vê-lo repetir a mesma peça por horas e horas no seu quarto, até ele próprio julgar que a executou como deveria: perfeita!

Poxa… Precisava controlar a sua emoção ou o turbilhão de sentimentos o trairia, impedindo-o de mostrar todo o seu talento. Sempre ouviu falar que o público parisiense é muito exigente e ele sabia que não podia desperdiçar aquela oportunidade. Peito inflado de orgulho, pensando no tanto que lutou para chegar até ali, afinou cada uma das cordas como se a sua vida dependesse disso, aprontando-se com esmero para a hora em que finalmente tiraria som do seu violino diante da plateia. Apesar de muito nervoso, estava confiante, com a sensação de que se preparara a vida toda para aquela ocasião.

Observado por olhos curiosos, armou o cavalete com a prática de quem o faria sem dificuldade até no escuro, desdobrando-o habilmente até tê-lo totalmente montado diante de si. Ajeitou a partitura cheio de expectativa, abrindo-a na página escolhida. Apanhou o violino e o arco, cada qual com uma mão, deixando-os pender ao seu lado. Aprumou o corpo, recuou seu pé direito levemente para trás e fechou os olhos. Lentamente acomodou o violino sobre a clavícula esquerda, apoiando-o sobre o ombro. Virou a cabeça até sentir a queixeira acariciar-lhe a face. Então, respirou fundo, abriu outra vez os olhos e fez a contagem mentalmente: 3, 2, 1…

O arco tocou as cordas com leveza, lambendo-as num beijo suave, íntimo pelos anos de convívio. Depois, provocou-as em pizzicato, beliscando-as suavemente. Seguindo à risca a partitura, provocou-as com suas preliminares, até que a ordem de possuí-las fosse dada. Agora, arco e cordas flertavam despudoradamente. Se antes sua crina retesada as acariciava docemente, agora deslizava fogoso, viril, elevando a temperatura pelo contato prolongado. Como um amante experiente, o arco, diante das cordas, explorava todas as possibilidades. Estava a um passo de magoá-las, mas não chegou a tanto. Melhor assim! Num lamento de soprano, pressentindo o que estava por acontecer, cada uma das quatro cordas respondia do seu jeito ao toque recebido. Juntas, porém, produziam uma bela e triste canção, traduzindo aquelas carícias na mais pura melodia.

Suas mãos moviam-se com tal vigor que pareciam ter vida própria. Ledo engano, tinha total controle de cada gesto seu. Sua expressão oscilava entre grave e terna. Transpiração e inspiração. Tocava com o coração sem descuidar da técnica. Seu mundo agora se resumia ao arco e aquelas quatro cordas.

A estação de metrô estava movimentada. Trabalhadores, turistas, donas de casa… Passageiros indo e vindo. Muitos, apressados para chegar a algum lugar, passavam por ele sem dar-lhe atenção. Checavam o relógio, consultavam placas, esbarravam-se, pediam licença, entravam nos vagões sem olhar para trás. Um e outro abanava-lhe a cabeça afirmativamente, num sinal amistoso, indicando que estavam gostando. Por segundos, sua música entrara nos seus mundos. Depois, tornavam a apressar o passo. Às vezes, davam uma última olhada para trás, mas nem sempre. Poucos eram os que paravam, mas suficientes para alimentar sua alma. Olhavam-no de todas as formas. Alguns tristes, outros distantes, uns concentrados, outros vagos. Havia ainda, não sabe bem por que, os que o olhavam agradecidos, deixando escapar certo brilho no olhar. Há muito que o Miltinho aprendera que a música produzia diferentes reações nas pessoas. Esse poder catalisador o fascinava. Um poder que tanto seduz como repele, tanto alegra como entristece. Uma vez, interrompeu sua apresentação para consolar o choro de uma senhora. A música faz essas coisas…

Quarenta minutos e alguns trocados depois o Miltinho fez a primeira parada. No saldo, de mais valioso, dois beijos anônimos lançados à distância e as palmas recebidas ao final, além, é claro, de alguns tostões. Agradeceu as pessoas próximas, curvando-se duas vezes. Sentia-se realizado! “Paris… Estou me apresentando em Paris! Ah, se meu pai me visse agora!”, refletiu exultante, enquanto contava o dinheiro amassado torcendo para que fosse suficiente ao menos para uma comida quente e um cálice de vinho no bistrô mais próximo da estação.

* * * * *

#Paris #música

Posts Em Destaque
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Instagram